728x90 AdSpace

  • Últimas Notícias

    Tecnologia do Blogger.
    terça-feira, janeiro 22

    Carnaval 2008

    Não é gatomestrice. Quer dizer... tudo bem, é sim! Mas aqui eu faço o que bem entendo; lê quem quer, discorda quem tem coragem. Ou, pelo menos, amizade pra caralho, porque amigo pra caralho pode tudo!

    Chega de nariz-de-cera, que o que eu quero é falar de Carnaval. Mas especificamente, dos sambas de enredo de 2008. Escutei, escutei, escutei incansavelmente o bendito iPod que tem um playlist só de sambas do ano. Depois que meus ouvidos se acostumaram a todos e eu comecei a me sentir mais íntima dos sambas, e mais abusada neste meu mundinho, resolvi botar a boca no trombone. Ou, pelo menos, dar uma buzinada nos ouvidos dos transeuntes deste blog...

    Elegi o melhor do ano, sem falsa modéstia que me segure nesta missão!

    Deu Portela na cabeça.

    E isso não tem naaaaaada a ver com a minha recente cisma com o Diogo Nogueira. Afinal, sou jornalista e uma sambista sem escola de coração muito bem definida — já fui magueira, já fui Mocidade, Portela e até tradição; já caíde amores pela Viradouro, arrastei uma asinha pela Vila e admiro e respeitro Beija-Flor e Império Serrano, só para citar algumas.

    Calma, que eu explico.

    No início fiquei indecisa, confesso. Beija-Flor, Viradouro, Salgueiro e Mangueira estão com sambas bem interessantes. E enredos idem.

    A Beija-Flor é covardia, com samba puxado pelo Neguinho. O refrão é de orgulhar; dá mesmo vontade de bater no peito e cantar...

    O meu valor me faz brilhar
    Iluminar o meu estado de amor
    Comunidade impõe respeito
    Bate no peito eu sou Beija-Flor

    E aí vem a genialidade do Paulo Barros e a energia do mestre Ciça, combinados com a beleza e a simpatia da conterrãnea Juliana Paes na Viradouro. Contagiante. Um enredo maneiríssimo, que tem tudo para surpreender na avenida. Um samba com letra bem bacana, que traz a poesia do mestre Cartola quase que literalmente. Dois refrões que têm tudo para serem ouvidos no sambódromo durante o desfile...

    O show da bateria alucina
    Traz numa corrente a emoção
    É arte, é criação que me fascina
    Faz vibrar meu coração

    E depois vem, pra fechar, um pouco de poesia em homenagem ao mestre Cartola:

    Bate outra vez, o meu coração
    "Pois já vai terminando o verão"
    As rosas não falam, na Viradouro exalam
    O perfume de uma canção

    Há de se respeitar, também, a Academia. Rio de Janeiro como enredo e a 'Furiosa' martelando no samba é contagioso, gente! As fantasias estão maravilhosas, apesar de absurdamente caras. O Salgueiro tem tudo para fazer um desfile memorável, dar show na passarela. O refrão foi eleito (por mim, é o-bó-vio!) o melhor do ano!

    E deixa o sol bronzear
    No calor do meu Salgueiro
    Eu sou raiz desse chão
    E canto a minha emoção
    Salve o Rio de Janeiro

    E a Mangueira??? O que falar da verde-rosa? Se até nos carnavais de sambinha mais fraco a multidão acompanha o samba no pé e na ponta da língua, imagina este ano, que o samba tá facinho, facinho de aprender e rola até coreografia na parte mais animada?!

    Mandou me chamar, eu vou
    Pra Recife festejar
    Alegria no olhar eu vejo
    É frevo, é frevo, é frevo!

    Mas a Portela... o samba assinado por Ari do Cavaco, Ciraninho, Celsinho de Andrade, Diogo Nogueira e Júnior Escafura — Reconstruindo a natureza, recriando a vida: o sonho vira realidade — é pura poesia. Fora a cadência, que remete a sambas dos velhos tempos, memoráveis carnavais da azul-e-branco de Oswaldo Cruz, fronteira com Madureira.

    Segue os passos do criador
    Vai minha Águia Gerreira
    Leva essa mensagem de amor
    De Oswaldo Cruz e Madureira
    Água, fonte eterna da vida
    Terra, templo da evolução
    O homem surgiu, brincou de criar
    Descobriu tanta riqueza
    É preciso progredir sem destruir
    Viver em comunhão com a natureza

    É o rio que corre a caminho do mar
    A flor que se abre na primavera
    Do ventre a esperança que vem renovar
    O sonho de uma nova era

    É hora de darmos aos mãos
    Lutarmos pro mundo mudar
    O líder de cada nação
    Precisa parar pra pensar
    A palavra é união
    Pra reconstruir o nosso lar
    Brasil, teu verde é o símbolo da vida
    Renova a tua energia
    Meu coração é o meu país
    O sol vai brilhar pra anunciar
    Um futuro mais feliz

    Eu sou a água, sou a terra, sou o ar
    Sou Portela
    Um sonho real, um grito de alerta
    A natureza que encanta a passarela
    ****
    Ta bom. O Diogo Nogueira é um gato!
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 comentários:

    Item Reviewed: Carnaval 2008 Rating: 5 Reviewed By: Débora Thomé
    Scroll to Top