728x90 AdSpace

  • Últimas Notícias

    Tecnologia do Blogger.
    terça-feira, julho 27

    34min34s

    ... e não fode!

    No domingo, ainda era noite quando pulei da cama para me aprontar para minha segunda corrida oficial da vida. A missão era vencer vários inimigos ocultos (mas nem tanto): joelho, ombro, lombar e o Francisco, que apareceu de última hora para correr junto comigo...

    Já vinha treinando no sacrifício na última semana. Na sexta, depois de quase três voltas no Maracanã, antes de rumar para o trabalho, meu treinador praticamente me ameaçou:

    - Pensa, até domingo, o que você vai fazer com esses 20 segundos...


    É que meu tempo de treino foi superior ao esperado. Ou, pelo menos, planejado para a etapa, que era chegar ao fim dos 5km em até 35 minutos. Por causa das fortes dores na lombar, pedi arrego e andei alguns metros no meio do treino; o que, segundo ele, me custou os tais 20 segundos acima da meta estabelecida.

    Fiquei com essa porra martelando na minha cabeça o fim de semana praticamente todo.

    E o que dá para fazer em 20 segundos? Diz aí você, que eu tô cansada...

    Whatever, chegou o grande dia. A torcida não compareceu em massa para dar apoio. O psicológico estava um pouco abalado, e o físico, nem quero comentar. Para completar, nem o sol deu uma trégua na tal da etapa Inverno. Que inverno é esse aqui no Rio de Janeiro???? Tá fresquinho só para quem não corre!

    Antes de sair, teve o estica e puxa do alongamento. Antes de botar o pezinho na pista, borrifadas e mais borrifadas de Cataflan (desculpem a propaganda!) em pelo menos três partes diferentes do corpitcho... e lá fomos nós. Uma aquecidinha básica e pernas pra quem te quer!

    Tava tudo muito bom, tudo muito bem, até que na altura do terceiro quilômetro a lombar começa a queimar e repuxar. Mais uns 300 metros e a coisa vai ficando feia. A sorte foi que tinha um posto de hidratação bem por ali. Água, mais para a cabeça e para as costas do que para ingestão. Depois de cruzar o quarto quilômetro, a dor já me atrapalhava a respirar no ritmo de corrida. Tava tudo descompassado. Andei, eu confesso. Uns 100, 150 metros.

    - Bora, bora, bora que tá chegando! Vamos apertar esse final que você está no tempo; não perde o ritmo. Parte pro estouro, parte pro estouro, parte pro estouro!

    Normalmente, eu não aguento esse tipo de pressão. A vontade é logo a de mandar tomar no cu. Mas co combinado, com o treinador, é ele manda, eu obeceço. Tem funcionado.

    No fim das contas, com dor e tudo, o tempo recorde foi esse daí, que dá título a este post.

    Mas...

    Tô muito puta com a organização do evento, que não mandou SMS depois da prova, como na primeira vez (só o engraçadinho do meu irmão, que me sacaneou com um torpedo assim "Seu tempo foi: sofrível, nem vale divulgar"), e ainda marcou meu tempo errado, acima dos 52 minutos, muito mais do que na minha estreia nas pistas de piche.

    Irritou!
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 comentários:

    Item Reviewed: 34min34s Rating: 5 Reviewed By: Débora Thomé
    Scroll to Top