728x90 AdSpace

  • Últimas Notícias

    Tecnologia do Blogger.
    segunda-feira, novembro 26

    Ano de Obaluaê

    Atotô, Obaluaê, atotô!

    Obaluâe é o Orixá da morte, representando a passagem da vida para a morte. No entanto, isto não indica um período de tragédias, mas sim repleto de mudanças e transformações, seja elas positivas ou negativas. Outro lado importante de Obaluâe é o materialismo, o que faz de 2013 um período propício para investir na carreira e ter avanços em sua vida profissional. Por outro lado, Obaluâe tem uma personalidade severa e insensível, podendo não ser simpático às nossas expectativas e esperanças.

    Também é bom lembrar que no seu lado positivo, Obaluâe é consolidador dos projetos e representa o nosso lado mais realizador e empenhado em construir algo de sólido em nossa vida. Ele tem um papel importante também em tudo o que diz respeito à nossa vida profissional, à nossa carreira e ao espaço que ocupamos na sociedade com nossa atividade e nosso trabalho. E o tempo (“cronos”, o nome grego de Saturno), é um fator fundamental na maturação de tudo o que esperamos na vida, portanto a paciência e a perseverança também são elementos indispensáveis para podermos extrair o melhor que Obaluâe pode nos oferecer.

    Obaluâe por ser o senhor da transformação mostrará que a terra precisa transformar, e como consequência nós homens estaremos mais suscetíveis a essas transformações principalmente climáticas e telúricas (terremotos). Há um índice alto também de erupções vulcânicas para o segundo bimestre do Ano de 2013.

    Conheça o Orixá
    Obaluaê: OBA (rei), LUAYE (céu e terra)
    Cor: preto, branco e vermelho
    Elemento: terra
    Metal: chumbo
    Pedra: turmalina negra
    Comida: pipoca
    Data: 16 de agosto
    Dia da semana: segunda-feira
    Flores: rosas brancas, cravo vermelho, palmas
    Frutas: banana da terra, abacaxi, laranja lima
    Bebida: vinho tinto

    A figura de Omulu-Obaluaê, assim como seus mitos, é completamente cercada de mistérios e dogmas indevassáveis. Em termos gerais, a essa figura é atribuído o controle sobre todas as doenças, especialmente as epidêmicas. Faria parte da essência básica vibratória do Orixá tanto o poder de causar a doença como o de possibilitar a cura do mesmo mal que criou.

    Em algumas narrativas mais tradicionalistas tentam apontar-se que o conceito original da divindade se referia ao deus da varíola, tal visão porém, nos parece uma evidente limitação. A varíola não seria a única doença sob seu controle, simplesmente pôr ser a epidemia mais devastadora e perigosa que conheciam os habitantes da comunidade original africana, onde surgiu Omulu-Obaluaê, o Daomé.

    Assim, sombrio e grave como Iroco, Oxumarê (seus irmãos) e Nanã (sua Mãe), Omulu-Obaluaê é uma criatura da cultura jeje, posteriormente assimilada pelos iorubas. Enquanto os Orixás iorubanos são extrovertidos, de têmpera passional, alegres, humanos e cheios de pequenas falhas que os identificam com os seres humanas, a figuras daomeanas estão mais associadas a uma visão religiosa em que distanciamento entre deuses e seres humanos é bem maior. Quando há aproximação, há de se temer, pois alguma tragédia está para acontecer, pois os Orixás do Daomé são austeros no comportamento mitológico, graves e conseqüentes em suas ameaças.

    A visão de Omulu-Obaluaê é a do castigo. Se um ser humano falta com ele ou um filho-de-santo seu é ameaçado, o Orixá castiga com violência e determinação, sendo difícil uma negociação ou um aplacar, mais prováveis nos Orixás iorubas.

    Pierre Verger, nesse sentido, sustenta que a cultura do Daomé é muito mais antiga que a ioruba, o que pode ser sentido em seus mitos: A antigüidade dos cultos de Omolu- Obaluaê e Nanã (Orixá feminino), freqüentemente confundidos em certas partes da África, é indicada por um detalhe do ritual dos sacrifícios de animais que lhe são feitos. Este ritual é realizado sem o emprego de instrumentos de ferro, indicando que essas duas divindades faziam parte de uma civilização anterior à Idade do Ferro e à chegada de Ogum.

    Como parte do temor dos iorubas, eles passaram a enxergar a divindade (Omulu-Obaluaê) mais sombria dos dominados como fonte de perigo e terror, entrando num processo que podemos chamar de malignação de um Orixá do povo subjugado, que não encontrava correspondente completo e exato (apesar da existência similar apenas de Ossâim). Omulu-Obaluaê seria o registro da passagem de doenças epidêmicas, castigos sociais, já que atacariam toda uma comunidade de cada vez.

    Com informações do blog Estudo Religioso
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 comentários:

    Item Reviewed: Ano de Obaluaê Rating: 5 Reviewed By: Débora Thomé
    Scroll to Top